Os cavalos e os sentidos

31/01/2016

Que a espécie equina apresenta os 5 sentidos (olfato, audição, visão, tato e paladar) muito mais desenvolvidos em relação à especie humana já está provado cientificamente. O que vem se estudando, agora, são alguns outros sentidos, ainda não dominados e compreendidos pelos humanos, mas que os cavalos (animais em geral) controlariam e perceberiam normalmente.

Quero abordar aqui, especificamente, sentidos que envolvem a energia e o pensamento! Embora inicialmente pareça extravagante ou excêntrico, a força do pensamento e a energia corporal ajudam muito na boa comunicação entre o homem e o cavalo.

Quando desempenhamos uma ação pensando no resultado que desejamos, nosso corpo emite sinais, imperceptíveis a nossos olhos, mas muito claros para as espécies que dominam a linguagem corporal. Em outras palavras, pensar no resultado que buscamos ajuda nosso corpo a comunicar nossa intenção!

Afinar a comunicação até que o animal responda ao nosso pensamento é o refinamento máximo da relação entre homem x cavalo! E isso é plenamente alcançável, com investimento de tempo e dedicação…

Para isso, deve-se trabalhar com os princípios de pressão e alívio e, desta forma, ir tornando cada vez mais sutis as outras ajudas (cabresto, varinha, perna, espora, rédea, etc). Porém sempre com uma linguagem clara e objetiva.

Assim como nós humanos, os cavalos são influenciados pela energia de quem os cerca. Até aí, nada de novo… O que se está buscando é, na prática, como podemos canalizar essa energia e usar a nosso favor.

Com os potros de doma são frequentes as situações onde apresentamos algo novo para eles, seja um manejo ou um objeto. Nessas situações, uma energia calma e tranquila da nossa parte torna a situação menos ameaçadora. O contrário é verdadeiro também… se emanamos uma energia pesada, amedrontada ou violenta, a tendência natural é de que o cavalo se coloque amedrontado e inquieto!

A energia, quando aprendemos a controlá-la, serve também para variarmos a intensidade da ação que solicitamos… Um exemplo claro é que podemos mudar a intensidade do galope de acordo com a intensidade da energia que emanamos quando pedimos o galope.

As mudanças de andaduras (passo-trote, trote-galope, galope-trote, trote-passo, passo-galope, galope-passo) também podem ser obtidas através da intensificação e atenuação da nossa energia!

Resumindo… A combinação entre a energia, o pensamento e a linguagem corporal tornam a comunicação com os cavalos mais clara e objetiva! Cabe a nós exercitarmos estes sentidos, para que possamos desenvolve-los melhor.

Share
Publicado em 12 Fevereiro 2014

Comentários